Página inicial / Infraestrutura

Fazenda Planalto

Conheça mais sobre esta Fazenda

A Fazenda Planalto (Lat. 18°12’41,277”S e Long. 53°12’17,632”W) situada em Costa Rica (MS), foi a primeira Fazenda a conquistar três certificações do SGI (Sistema de Gestão Integrada). Ela possui 16.641 hectares de área total, sendo 15.006 ha próprios e 1.635 ha arrendados. Sua área plantada na safra 2019/20 foi de 22.154 hectares.

Onde estamos

Saiba como chegar à Fazenda Planalto

A Fazenda está localizada aproximadamente a 40 km do centro de Costa Rica (MS). O ponto de partida é o sentido Alto Taquari (MT) pela rodovia MS-135. Por essa rodovia, roda-se aproximados 25 km até o entroncamento com a BR-359, onde será realizada a conversão leve à direita, entrando na BR-359. Após 14 km, encontra-se a entrada da Fazenda. A sede fica a 3 km da rodovia.

Rodovia BR 359, acesso Km 26,  s/n.  Zona Rural. Costa Rica (MS).  CEP 79.550-000

Clique aqui e faça um tour pela Fazenda

 



Vista Aérea da Fazenda Planalto


Histórico, projetos e pesquisa

Histórico

A Fazenda Planalto iniciou suas atividades em junho de 1985, com o cultivo da soja. Em 1987, iniciou o plantio de milho e em 1998, de algodão. Atualmente, com 143 colaboradores, a Fazenda planta soja, milho, algodão, cana de açúcar e outras culturas. No início, havia um escritório administrativo na cidade de Mineiros (GO), que posteriormente foi transferido para a cidade de Costa Rica (MS), onde atua até o momento.

Projetos Sociais

A Fazenda Planalto implementou o projeto Caixa de Areia e Horta para o Centro de Educação Infantil Ambrosina Paes Coelho e projeto Horta para a Instituição Educacional Cotrisa de Baús, em conjunto com os alunos que fazem a manutenção da horta. Nesta instituição acontece também o Projeto 5S onde as avaliações são realizadas pelos próprios alunos.

Pesquisa

A área de pesquisa da Fazenda Planalto ocupa mais de 139 ha com estudos com as culturas da soja, milho e algodão. Pode-se destacar a condução e ensaios para definição de critérios e refinamento do uso de reguladores de crescimento no algodoeiro, manejo de adubação nitrogenada nas culturas do milho e algodão e avaliação de arranjos de semeadura para a cultura da soja. Na safra 17/18 iniciou-se um trabalho para identificação de estratégias para melhoria da atividade biológica do solo e para manejo integrado de percevejo castanho em áreas de algodão, o que constitui sério problema na Unidade/região.